Monday, December 30, 2013

Friday, December 27, 2013

Music was my first love...

WAR - 5 de Mayo

Mais vale terminar o ano com humor

Ia uma freira a caminho do convento quando uma flamante loira lhe ofereceu boleia. A freira entra no carro e começa a reparar no seu luxuoso interior:
- Mas que belo carro a senhora tem! Deve ter trabalhado muito arduamente para o conseguir comprar...
- Olhe irmã, por acaso não foi bem assim. Foi um industrial com quem dormi durante uns tempos que mo ofereceu!
Entretanto, a freira olha para o banco de trás onde estava pousado um luzidio casaco de vison e exclama:
- Oh! O seu casaco de peles é lindo! Deve ter custado uma fortuna.
- Não me custou muito pois bastou-me passar umas quantas noites com um futebolista.
Após ouvir isto, a freira manteve-se calada durante o resto da viagem. Ao chegar ao convento, foi para os seus aposentos tomar um revigorante banho.
Estava a freira na banheira quando ouve alguém a bater a porta do seu quarto.
- Quem é?
- Sou eu, o padre Afonso.
- Sabes uma coisa? Vai-te foder, tu mais os teus rebuçados de menta!!!

Tuesday, December 10, 2013

A Ana teve coragem mas lixou-se (ou lixaram-na)

Num país "a sério" certamente que notícias destas tinham obrigatoriamente consequências: no mínimo apurava-se se havia alguma veracidade por detrás das acusações. Por cá vamos encolhendo os ombros, chamamos-lhes alguns nomes menos bonitos, e até há quem os louve ("eles é que nos ensinam como é que se sobe na vida").
A mim espanta-me uma certa falta de coerência: as pessoas e os salvo-seja empresários que mais criticam as "gorduras" e o peso do Estado Social são os que mais gostam de mamar na teta estatal...



Viver acima das possibilidades, blah blah blah, blá blá blá... 


Se o chico-espertismo pagasse imposto, Portugal já tinha saído da recessão (ou nunca tinha entrado).

Monday, November 25, 2013

Americanices...

CRIANÇA: Presidente Obama, Presidente Obama, o meu pai diz que o senhor anda a espiar as pessoas...
OBAMA: Deixa-me dizer-te uma coisa rapazinho: ele nem sequer é teu pai.

Saturday, November 23, 2013

Para ouvir, reflectir e divulgar


No discurso mais aplaudido da noite, Pacheco Pereira na Aula Magna em "defesa da nossa Pátria amada"

Wednesday, November 20, 2013

Music was my first love...

Em defesa do Tribunal Constitucional

(...) Eu revejo-me em coisas mais fundamentais, mais simples e directas, que também a Constituição protege e de que, por péssimas razões, hoje o Tribunal Constitucional é o último baluarte. O Tribunal Constitucional é hoje esse último baluarte, o que por si só já é um péssimo sinal do estado da democracia, porque todas as outras instituições que deviam personificar o “bom funcionamento” da nossa democracia ou não estão a funcionar, ou estão a funcionar contra. Refiro-me ao Presidente da República, ao Parlamento e ao Governo. E refiro-me de forma mais ampla ao sistema político-partidário que está no poder e em parte na oposição. Quando falha tudo, o Tribunal Constitucional é o último baluarte antes da desobediência civil e do resto. Se me faço entender.
...
Em nome de um “estado de emergência financeira” que umas vezes é dramatizado quando convém e outras trivializado quando convém, seja para justificar impostos, cortes de salários e pensões, na versão “estado de sítio”; ou para deitar os foguetes com o 1640 da saída da troika e do “milagre económico”, na versão “já saímos do programa”, considera-se que nada vale, nem leis, nem direitos, nem justiça social.
...
Eu revejo-me numa democracia que assente num pacto social, justo e redistributivo, que é a essência do conteúdo do programa do PSD e do pensamento genético de Sá Carneiro, que se traduz numa sociedade em que a “confiança” garanta os contratos, seja para o mundo do trabalho, dos pensionistas e reformados, como o é para a defesa da propriedade contra o confisco. O que não aceito é que se considere que a “confiança” valha apenas para os contratos “blindados” das PPP, para os contratos swaps, para proteger os bancos, para dar condições leoninas nas privatizações e taxas disfarçadas para garantir que um governo que prometeu privatizar a RTP faça os portugueses pagar mais para controlar parte da comunicação social. Ora, escrito ou não escrito na Constituição, o espírito de uma Constituição de um país democrático tem de proteger esses princípios, que são mais do que isso, são valores numa democracia.
...
A principal decisão do Tribunal Constitucional, seja sobre que matéria for das que lhe forem enviadas, sejam as pensões, as reformas, os salários, seja a legislação laboral, seja a “convergência” do público e privado, seja o que for, terá sempre um essencial pressuposto anterior: está o Tribunal Constitucional disposto a permitir o “vale tudo” que lhe é exigido pelo Governo e os seus amigos nacionais e internacionais, ou coloca-lhe um travão em nome da lei e da democracia?

É a mais política das decisões? É. E em muitos momentos da História foi o falhanço do sistema judicial último que permitiu o fim das democracias. O melhor exemplo foi o da Alemanha diante dos nazis e do seu ostensivo desprezo pela lei face à força.

José Pacheco Pereira in Abrupto. O artigo completo aqui.

Wednesday, November 06, 2013

Desabafo quase pornográfico

Carta da Marisa Moura à administração da Carris

Exmos. Senhores
José Manuel Silva Rodrigues, Fernando Jorge Moreira da Silva, Maria Isabel Antunes, Joaquim José Zeferino e Maria Adelina Rocha

Chamo-me Marisa Sofia Duarte Moura e sou a contribuinte nº 215860101 da República Portuguesa.
Venho por este meio colocar-vos, a cada um de vós, algumas perguntas:

1.Sabem que o aumento do vosso vencimento, num total extra de 32 mil euros, fixado pela comissão de vencimentos, numa altura em que a empresa apresenta prejuízos de 42,3 milhões e um buraco de 776,6 milhões de euros, representa um crime previsto na lei sob a figura de gestão danosa?
2.Terão  a mínima noção de que há mais de 700 mil pessoas desempregadas em Portugal, neste momento, por causa de gente como os senhores que, sem qualquer moral, se pavoneiam em automóveis de luxo que, neste momento, custam 4.500 euros por mês a todos os contribuintes?
A dívida do país está acima dos 150 mil milhões de euros, o que significa que eu estou endividada em 15 mil euros.
Paguei em impostos no ano passado 10 mil euros. Não chega nem para a minha parte da dívida colectiva.

É com pessoas como os senhores, a esbanjar desta forma o nosso dinheiro, que os impostos dos contribuintes não vão chegar nunca para pagar o que realmente devem pagar - o bem-estar colectivo.
As vossas caras estão publicadas no site da empresa.Todos os portugueses sabem, portanto, quem são.
Quando pararem num semáforo vermelho, conseguirão enfrentar o olhar do condutor ao lado, estando os senhores ao volante de uma viatura paga com dinheiro que a empresa não tem e que é paga às custas da fome de milhares de pessoas, velhos, adultos, jovens e crianças?

Para os senhores auferirem do vosso vencimento, agora aumentado ilegalmente, e demais regalias, há 900 mil pessoas a trabalhar (inclusive em empresas estatais como a "vossa") sem sequer terem direito a Baixa se ficarem doentes, porque trabalham a recibos verdes.
Alguma vez pensam nisto?
Acham genuinamente que o trabalho que desempenham tem de ser tamanhamente bem remunerado ao ponto de se sobreporem às mais elementares necessidades de outros seres humanos?

Despeço-me sem grande consideração, mas com alguma esperança que consiga reactivar alguns genes da espécie humana que terão, com certeza, perdido algures, no decorrer da vossa vida.

Marisa Moura

Tuesday, November 05, 2013

O padre e a pecadora

- Padre, perdoa-me porque pequei (voz feminina)
- Diga-me filha, quais são os teus pecados?
- Padre, o demonio da tentação se apoderou de mim, pobre pecadora.
- Como é isso filha?
- É que quando falo com um homem, tenho sensações no corpo que não saberia descrever…
- Filha, apesar de padre, eu também sou um homem…
- Sim, padre, por isso vim confessar-me contigo.
- Bem filha, como são essas sensações?
- Não sei bem como explicá-las - neste momento meu corpo se recusa a ficar de joelhos e necessito ficar mais a vontade.
- Sério??
- Sim, desejo relaxar - o melhor seria deitar-me…
- Filha, deitada como?
- De costas para o piso, até que passe a tensão…
- E que mais?
- É como um sofrimento que não encontro palavras.
- Continue minha filha.
- Talvez um pouco de calor me alivie…
- Calor?
- Calor padre, calor humano, que leve alívio ao meu padecer…
- E com que frequência é essa tentação?
- Permanente padre. Por exemplo, neste momento imagino que suas mãos massageando a minha pele me dariam muito alívio…
- Filha?!
- Sim padre, me perdoa, mas sinto necessidade de que alguém forte me estreite em seus braços e me dê o alívio de que necessito…
- Por exemplo, eu?
- Sim padre, você é a categoria de homem que imagino poder me aliviar.
- Perdoa-me minha filha, mas preciso saber tua idade...
- Setenta e quatro, padre.
- Filha, vai em paz que o teu problema é reumatismo...

Friday, October 25, 2013

Sim, por favor

Uma mão quente.
Uma casa quente.
Um pullover quente
para cobrir meus pensamentos gelados.
Um corpo quente
para cobrir o meu corpo.
Uma alma quente
para cobrir a minha alma.
Uma vida quente
para cobrir a minha vida gelada.
Sonia Akesson, In blogue Modus Vivendi 

Friday, October 18, 2013

50 Anos de História e de "Pugresso"...

Hoje felizmente já não há "bidonvilles" mas há cada vez mais portugueses a viver em contentores, por essa Europa fora, em péssimas condições de habitabilidade, e num total desenraizamento social. Quase 50 anos passados sobre esta triste realidade, assistimos impassivelmente ao esvaziar do que um país tem de melhor: a sua juventude! Mas o quê: aquilo que deveria ser um grave problema para os nossos governantes resolverem, é afinal a saída mais fácil e imediata, para combater a enorme taxa de desemprego e as legítimas frustrações dos nossos jovens: o incentivo à emigração!


Fotografia de Gérard Bloncourt, 1964.

Sunday, October 13, 2013

Perdão, V.Ex.a disse vergonha...?!

Rui Machete não disse inverdades, não cometeu incorrecções factuais, não teve afirmações menos felizes. Rui Machete mentiu. Pôs aquela cara de enfatuado e aquele ar de quem pensa estar acima da ignorante plebe, e mentiu com quantos dentes tem na boca. Aldrabou os angolanos, aldrabou os portugueses, aldrabou toda a gente quando disse conhecer pormenores de assuntos em segredo de justiça. Mentiu descaradamente e sem hesitações quando afirmou ter pedido informações ao Ministério Público. Mentiu chamando mentirosa à procuradora-geral. Também podíamos pôr a hipótese de ser Joana Marques Vidal quem mentiu. Mas, convenhamos, entre a procuradora e um senhor que se esqueceu de referir que tinha sido accionista de uma organização a que pertencia, e até aos órgãos sociais, e que lhe pagava em notas ou em seguros de vida, talvez me incline a pensar que o mentiroso nesta história é o Dr. Machete. Ou então Machete disse a verdade.
(...)
Pensando bem, a falta de vergonha, o desplante que Machete exibiu na Assembleia da República, a ausência de competência, o desprezo por valores fundamentais, não surpreende ninguém. É só mais um exemplo do irregular funcionamento das instituições. O Presidente da República está bem, obrigado.

Pedro Marques Lopes escreve no DN: o artigo completo.

Tuesday, October 08, 2013

Nobel Prize for Physics 2013 - Ganharam os favoritos


François Englert and Peter W. Higgs are jointly awarded the Nobel Prize in Physics 2013 for the theory of how particles acquire mass. In 1964, they proposed the theory independently of each other (Englert together with his now deceased colleague Robert Brout). In 2012, their ideas were confirmed by the discovery of a so called Higgs particle at the CERN laboratory outside Geneva in Switzerland.

The awarded theory is a central part of the Standard Model of particle physics that describes how the world is constructed. According to the Standard Model, every­ thing, from flowers and people to stars and planets, consists of just a few building blocks: matter particles. These particles are governed by forces mediated by force particles that make sure everything works as it should.

The entire Standard Model also rests on the existence of a special kind of particle: the Higgs particle. This particle originates from an invisible field that fills up all space. Even when the universe seems empty this field is there. Without it, we would not exist, because it is from contact with the field that particles acquire mass. The theory proposed by Englert and Higgs
describes this process.

On 4 July 2012, at the CERN laboratory for particle physics, the theory was confirmed by the discovery of a Higgs particle. CERN’s particle collider, LHC (Large Hadron Collider), is probably the largest and the most complex machine ever constructed by humans. Two research groups of some 3,000 scientists each, ATLAS and CMS, managed to extract the Higgs particle from billions of particle collisions in the LHC.

Even though it is a great achievement to have found the Higgs particle — the missing piece in the Standard Model puzzle — the Standard Model is not the final piece in the cosmic puzzle. One of the reasons for this is that the Standard Model treats certain particles, neutrinos, as being virtually massless, whereas recent studies show that they actually do have mass. Another reason is that the model only describes visible matter, which only accounts for one fifth of all matter in the cosmos. To find the mysterious dark matter is one of the objectives as scientists continue the chase of unknown particles at CERN.
by Danielle Wiener-Bronner, Reuters 

Monday, October 07, 2013

Indeed


Ideias natalícias

- Estouuuu... é da GNR?
- É sim, em que posso ajudá-lo?
- Queria fazer quexa do mê vizinho Maneli. Ele esconde droga dentro dos troncos da madeira pra larera.
- Tomámos nota. Muito obrigado por nos ter avisado.
No dia seguinte os guardas da GNR estavam em casa do Manel. Procuraram o sítio onde ele guardava a lenha, e usando machados abriram ao meio todos os toros que lá havia, mas não encontraram droga nenhuma. Praguejaram e foram-se embora.
Logo de seguida toca o telefone em casa do Manel.
- Oh Maneli, já aí foram os tipos da GNR?
- Já.
- E racharam-te a lenha toda?
- Sim!...
- Então feliz Natal, amigo! Esse foi o mê presente deste ano!

Tuesday, October 01, 2013

Afinal o crime compensa...?

(...) "Mencionei também que a Comissão não mexeu um dedo para impedir o Regime Especial de Regularização Tributária III (Orçamento de Estado de 2012), que beneficiou os perpetradores de fraude e evasão fiscais com uma amnistia dos seus crimes, permitindo-lhes legalizar os capitais transferidos para paraísos fiscais e não declarados às autoridades tributárias, sem ter de os repatriar e mediante o pagamento de uma escandalosamente baixa taxa de 7.5%. Esta taxa valeu ao Estado apenas 258 milhões de euros, face aos mais de 3 mil milhões de euros identificados em contas no exterior - onde se acumulam muitos mais milhares de milhões, desviados do investimento e da economia em Portugal. O RERT III, sublinhe-se, não implica a identificação pública do beneficiário/detentor, nem cuida de apurar a origem, lícita ou ilícita, dos capitais legalizados, tratando-se de uma autêntica operação de lavagem de dinheiro, com selo de aprovação do Estado português, da Comissão Europeia e do BCE. Isto é, num Portugal intervencionado pela Troika, quem cometeu fraude e evasão fiscal, colocando capitais ilegalmente no exterior, acabou por ver perdoados os crimes fiscais e outros e ainda por ser beneficiado pelo Estado com um regime de total sigilo, impunidade e benefício fiscal."

Ana Gomes, eurodeputada, in Causa Nossa 

Thursday, September 26, 2013

A Banca que temos - 2

(...) Compreendemos, obviamente, que a administração do BES não goste de ver escrito que dois dos seus principais administradores foram constituídos arguidos por suspeitas do crime de inside trading, percebemos que o BES não queira que se saiba que o dr. Ricardo Salgado, presidente executivo, e o dr. Morais Pires, administrador executivo, fizeram rectificações dos respectivos IRS de 2011 num valor que supera os 9,6 milhões de euros na sequência do processo Monte Branco, entendemos que a liderança do BES prefira que não sejam conhecidas declarações de três administradores da Escom que, após serem informados da sua condição de arguidos por corrupção activa, branqueamento de capitais e tráfico de influências, afirmaram que actuaram sempre com “o total conhecimento e concordância dos seus então accionistas”, isto é, o Grupo Espírito Santo.

Compreendemos igualmente que a administração do BES prefira não fazer comentários ao facto de o dr. Ricardo Salgado ter sido remunerado em 8,5 milhões de euros através de uma offshore por uma consultoria externa realizada a um cliente do banco
.
Compreendemos, enfim, que estes factos sejam incómodos para a liderança do BES. Mas uma coisa o BES não pode esperar: que os jornalistas tenham medo do seu poder financeiro e deixem de exercer a sua profissão. (...)

Nota da direcção do jornal i. O artigo completo aqui

A Banca que temos - 1

Concertação

É seguramente ignorância minha e porventura da grande. Mas, vejamos. Os bancos, o sector financeiro, pertencem à economia, certo? E até têm um peso significativo. E há uma associação que representa os seus patrões, não é verdade? Então, porque é que a respectiva associação não está na Concertação Social? Seria particularmente interessante, nos tempos que correm, até porque podíamos assim ver qual a posição do sector relativamente à revisão do "programa de ajustamento" que muitos pedem, se estão ao lado dos outros patrões e dos sindicatos, ou não. Mas, se calhar, no resto da Europa também é assim. Será? Divagações.
Pedro Lains dixit

Monday, September 23, 2013

Vivemos como se não fosse nada

O Colossal Embuste
 ...
"O "memorando de ajustamento", e as suas várias revisões, assumido como o programa do principal partido do governo (que por ironia das teias que Abril teceu se chama "social-democrata") e, sobretudo, a sua desastrosa execução, neste dois anos e meio, foi um fracasso de proporções assustadoras, cujas consequências a maioria dos portugueses irá pagar durante muitas décadas. Lembremo-nos da garantia dada por este governo de que os sacrifícios, o empobrecimento e a miséria em que a maioria dos portugueses ia cair permitiriam, no próximo ano, um défice orçamental de 2,3% e um desemprego de 12,5%. Hoje, todos sabem que, face ao fiasco que se estende aos olhos de todos, o vice-primeiro-ministro pretende, nas "negociações" com a troika, atingir em 2014 o dobro do défice que nos prometeram, enquanto o desemprego disparou para números dramáticos e a dívida continua a crescer.

Mas, nada disto envergonha, minimamente, quem nos governa. Continuam, como se nada se passasse, a prostituir as palavras e as promessas. Paulo Portas garante-nos, por estes dias, que já "batemos no fundo", e a partir daqui "vamos subir a escada". Por sua vez, o ministro da Propaganda, Poiares Maduro afiança-nos que "o governo tudo tem feito para que o país possa concluir com sucesso o programa de ajustamento". Não têm emenda, nem assomo de frontalidade. A desfaçatez, a leviandade, a irresponsabilidade e a incompetência é a mesma com que Passos Coelho, em Abril de há dois anos, declarou, com ar solene: " todos aqueles que produziram os seus descontos e que têm hoje direito às suas reformas e às suas pensões as deverão manter no futuro, sob pena de o Estado se apropriar daquilo que não é seu". Este governo não acerta uma: faz o que jurou nunca fazer e não faz o que se compromete a fazer."
...
Tomás Vasques, in jornal ionline. O artigo completo aqui 

Saturday, July 27, 2013

Um erro ainda se tolera; agora dois!!!

Para testar a personalidade de um alentejano, o dono da empresa mandou 
pagar 50 euros a mais no salário dele. 
Os dias passam e o funcionário não diz nada. 
No mês seguinte, o patrão faz o inverso: manda tirar 50 euros. 
Nesse mesmo dia, o funcionário entra na sala para falar com ele: 
- Engenheiro, acho que houve um engano e tiraram-me 50 euros do meu salário. 
- Ah?! Curioso porque no mês passado eu paguei-lhe 50 euros a mais e 
você não comentou nada! 
- Pois, mas atão, um erro eu ainda tolero; agora dois, acho um abuso!!! 

Music was my first love...

Saturday, July 13, 2013

Um beijo

É só um beijo, dizes. Não, não é. Um beijo, consentido e com sentido, nunca é só um beijo. É um vocábulo explícito de uma linguagem ancestral, planetária e inequívoca. Encerra sempre, num molde indestrutível, o desejo que o forjou. Traz em si a memória de beijos passados,  a expectativa de beijos sonhados e o embrião de beijos futuros. E mesmo que não tenha passado nem futuro, cada beijo é, por si só, um universo.

Ana Vidal 

Sunday, June 30, 2013

Vai aonde te leva o coração


Os homens preferem as gaiolas aos voos

Para voar é preciso ter coragem para enfrentar o terror do vazio. Porque é só no vazio que o voo acontece. O vazio é o espaço da liberdade, a ausência de certezas. Mas é isso o que tememos: o não ter certezas. Por isso trocamos o voo por gaiolas. As gaiolas são o lugar onde as certezas moram.

É um engano pensar que os homens seriam livres se pudessem, que eles não são livres porque um estranho os engaiolou, que eles voariam se as portas estivessem abertas. A verdade é o oposto. Não há carcereiros. Os homens preferem as gaiolas aos voos. São eles mesmos que constroem as gaiolas em que se aprisionam…

Rubem Alves

Music was my first love...

Guess what is the first best thing!

Friday, June 28, 2013

O diário dela versus o diário dele... sobre a mesma noite

DIÁRIO DELA

Ele ficou esquisito a partir de sábado à noite. Tínhamos combinado encontrar-nos num bar para beber um copo antes de jantar. Andei às compras a tarde toda com as amigas e pensei que o seu comportamento se devesse ao meu atraso de vinte minutos. Mas não. Nem sequer fez qualquer comentário, como lhe é habitual.

A conversa e o sítio não estavam muito animados, por isso propus irmos a um lugar mais íntimo para podermos conversar mais tranquilamente.

Fomos a um restaurante caro e elegante. A comida estava excelente e o vinho era de reserva. Quando veio a conta, ele nem refilou e continuava a portar-se de forma bastante estranha. Como se estivesse ausente.

No caminho para casa, já no carro, disse-lhe que o amava. Ele limitou-se a passar o braço por cima dos meus ombros, de forma paternal e sem me contestar. Não sei como explicar a sua atitude, porque não disse que me queria como faz habitualmente.

Simplesmente não disse nada.

Começo a ficar cada vez mais preocupada. Chegámos por fim a casa e, nesse preciso momento, pensei que ele me queria deixar. Tentei fazer com que falasse sobre o assunto mas ele ligou a televisão e ficou a olhá-la com um ar distante. Por fim, desisti e disse-lhe que ia para a cama.

Mais ou menos dez minutos depois, ele entra no quarto e deita-se a meu lado.

Para enorme surpresa minha, correspondeu aos meus beijos e carícias e acabámos por fazer amor. Não foi tão intenso como o normal, mas ele pareceu gostar. Apesar de continuar com aquele ar distraído que tanto me aflige.

Depois, ainda deitada na cama, resolvi que queria enfrentar a situação e falar com ele o quanto antes. Mas ele já tinha adormecido. Comecei a chorar e continuei a fazê-lo pela noite dentro, até adormecer quase de manhã.

Estou desesperada, já não sei o que fazer. Estou praticamente convencida que os seus pensamentos estão com outra. A minha vida é um autêntico desastre!


DIÁRIO DELE

O Sporting perdeu. Pelo menos dei uma fodita...!

Thursday, June 27, 2013

Is this the end of the world (as we know it) ?


Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada;
Quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores;
Quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você;
Quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto sacrifício;
Então poderá afirmar, sem temor de errar, que a sua sociedade está condenada".

Ayn Rand

Saturday, June 22, 2013

Coimbra é património mundial


A UNESCO aprovou há minutos a inscrição da Alta universitária e da Rua da Sofia, na Baixa da cidade, como Património da Humanidade.
Os edifícios agora classificados pela UNESCO dividem-se em quatro núcleos: colégios da Rua da Sofia ("onde a história da Universidade começou"), Pátio das Escolas ("o coração da Universidade de Coimbra, com sedimentos moçárabe, memórias da primeira dinastia portuguesa e uma das bibliotecas mais belas do mundo"), Edifícios da reforma Pombalina ("marcas da revolução do conhecimento no século XVIII) e Complexo do Estado Novo ("face da mudança da Alta de Coimbra").
Na Baixa, além de sete colégios da Rua da Sofia, são também classificados o Mosteiro de Santa Cruz, o Palácio de Sub-Ripas e o Antigo Colégio das Artes, no Pátio da Inquisição.
Na Alta, além do Pátio das Escolas, com a Biblioteca Joanina, a Torre e a Via Latina, o projecto integra sete colégios, a Imprensa da Universidade, o Laboratório Químico, as casas dos Melos e das Caldeiras, o conjunto edificado pelo Estado Novo (Biblioteca Geral, Arquivo da Universidade, faculdades de medicina e de Letras e departamentos de Física, de Química e de Matemática), o Jardim Botânico e a Sé Velha.

In Diário de CoimbraEdição de Sábado, Junho 22, 2013

Simplesmente... MEC


A verdade às vezes não é o que parece!

Paulinho tinha 9 anos e foi passar uns dias em casa da Avó.
Ele estava a brincar na rua com alguns coleguinhas e, passada uma hora, entrou em casa perguntando:
- Avó, como se chama aquilo quando duas pessoas dormem no mesmo quarto e ficam uma em cima da outra?
A Avó, assustada com a pergunta, pensou e achou que seria melhor dizer a verdade:
- Bem, Paulinho, isso chama-se uma relação sexual, fazer Amor, como se diz agora, dar uma queca...
Paulinho, satisfeito com a resposta, voltou para a rua, para brincar.
Poucos instantes depois, ele entra em casa novamente, todo esbaforido, e diz:
- Avó, aquilo que eu lhe perguntei, afinal chama-se BELICHE e a mãe do Zezinho quer falar com a senhora!

Sunday, June 16, 2013

Ser forte

Ser forte é amar alguém em silêncio.....
É deixar-se amar por alguém que não se ama.......
É fingir alegria quando se sente triste.......
É sorrir quando se deseja chorar............
É consolar quando se precisa de consolo............
Ser forte é calar quando o ideal seria gritar a todos a sua angústia.....
É irradiar felicidade quando se é infeliz............
É esperar quando não se acredita no retorno........
É manter-se calmo no desespero........
É elogiar quando se tem vontade de maldizer..........
É fazer alguém feliz quando se tem o coração em pedaços............
É ter fé naquilo em que não se acredita............
É perdoar alguém que não merece ser perdoado.........
É ainda ter esperança quando já não há possibilidade.........
É tentar tirar alguém da cabeça sabendo que jamais sairá do coração.........
Ser forte é enfim......
Viver quando já se está morto e por mais difícil que seja a vida, temos que amá-la e ser sempre
MUITO FORTE!!!!!!!!

Autor desconhecido (enviado por Angel of the Night)

Music was my first love...


De quem eu gosto

"Eu acho", diz ela a acender um cigarro, porque as mulheres acham sempre qualquer coisa depois de foder, "eu acho é que tu não sabes o que queres". "Pois é", responde o rapaz, porque é no minuto depois de foder que é dado aos homens o luxo de não ter medo de dizer a verdade, "pois é, não sei. Mas olha: sei que não és tu".

Miguel Esteves Cardoso  (Algures nos 90`s)

Monday, May 13, 2013

Tá-se mesmo a ver que vai ser multada


The Top 5 Regrets of The Dying


A palliative nurse recorded the most common regrets of the dying and put her findings into a book called ‘The Top Five Regrets of The Dying.’

1. I wish I’d had the courage to live a life true to myself, not the life others expected of me.
2. I wish I hadn’t worked so hard.
3. I wish I’d had the courage to express my feelings.
4. I wish I had stayed in touch with my friends.
5. I wish that I had let myself be happier.


O artigo completo aqui

Thursday, May 09, 2013

Quinta-feira da Ascenção

Se os passarinhos soubessem
Quando é Dia de Ascensão
Nem buliam nos seus ninhos
Nem punham os pés no chão.

O Dia da Espiga, coincidente com a Quinta-feira da Ascensão, é uma data móvel que segue o calendário litúrgico cristão.
Mas, se actualmente poucas são as pessoas que ainda vão ao campo nessa quinta-feira, abandonando as suas obrigações, para apanhar a espiga, ou que se deslocam às igrejas para participar nos preceitos religiosos próprios da data, tempos houve em que, de norte a sul do país, esta foi uma data faustosa, das mais festivas do ano, repleta de cerimónias sagradas e profanas, que em muitas zonas implicava mesmo a paragem laboral. A antiga expressão “no Dia da Ascensão nem os passarinhos bolem nos ninhos” deriva dessa tradição.
A origem gaudiosa deste dia é, contudo, muito anterior à era cristã. Este dia é um herdeiro directo de rituais gentios, realizados durante séculos, por todo o mundo mediterrâneo, em que grandiosos festivais, de intensos cantares e danças, celebravam a Primavera e consagravam a natureza.
Para os povos arcaicos, esta data, tal como todos os momentos de transição, era mágica e de sublime importância. Nela se exortava o eclodir da vida vegetal e animal, após a letargia dos meses frios, e a esperança nas novas colheitas.
A Igreja de Roma, à semelhança do que fez com outras festas ancestrais pagãs, cristianiza depois a data e esta atravessa os tempos com uma dupla acepção: como Quinta-feira de Ascensão, para os cristãos, assinalando, como o nome indica, a ascensão de Jesus ao Céu, ao fim de 40 dias; e como Dia da Espiga, ou Quinta-feira da Espiga, esta traduzindo aspectos e crenças não religiosos, mas exclusivos da esfera agrícola e familiar.
O Dia da Espiga é então o dia em que as pessoas vão ao campo apanhar a espiga, a qual não é apenas um viçoso ramo de várias plantas - cuja composição, número e significado de cada uma, varia de região para região –, guardado durante um ano, mas é também um poderoso e multifacetado amuleto, que é pendurado, por norma, na parede da cozinha ou da sala, para trazer a abundância, a alegria, a saúde e a sorte. Em muitas terras, quando faz trovoada, por exemplo, arde-se à lareira um dos pés do ramo da espiga para afastar a tormenta.
Não obstante as variações locais, de um modo geral, o ramo de espiga é composto por pés de trigo e de outros cereais, como centeio, cevada ou aveia, de oliveira, videira, papoilas, malmequeres ou outras flores campestres. E a simbologia de cada planta, comumente aceite, é a seguinte: o trigo representa o pão; o malmequer o ouro e a prata; a papoila o amor e vida; a oliveira o azeite e a paz; a videira o vinho e a alegria; e o alecrim a saúde e a força.
Além destas associações basilares ao pão e ao azeite, a espiga surge também conotada com o leite, com as proibições do trabalho e ainda com o poder da Hora, isto é, com o período de tempo que decorre entre o meio-dia e a uma hora da tarde, tomando mesmo, nalguns sítios do país a designação de Dia da Hora. Nas localidades em que assim é entendida esta quinta-feira, acredita-se que neste período do dia se manifestam os mais sagrados e encantatórios poderes da data e nas igrejas realiza-se um serviço religioso de Adoração, após o qual toca o sino. Diz a voz popular que nessa hora “as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e até as folhas se cruzam” . Nalgumas povoações era também do meio-dia à uma que se colhia a espiga.
Noutras regiões ainda, esta data é dedicada ao cerimonial do leite. Na aldeia da Esperança, no concelho de Arronches, este é aliás o “Dia do Leite” e os produtores de queijo ordenham o seu gado e oferecem o leite a quem o quiser. Também em Guimarães, e em muitas freguesias do concelho de Pinhel, o leite ordenhado neste dia é oferecido ao pároco. Em Santa Eulália, no concelho de Elvas, esse leite é dado aos pobres, acreditando-se assim que a sarna não atingirá as cabras.
Nas zonas onde esta data é associada à abstenção laboral, cessam-se muitas actividades como a cozedura do pão ou a realização de negócios. Na Lousada, em Penafiel, não se cose nem se remenda e há quem deixe comida feita de véspera para não ter de cozinhar neste dia.
No que diz respeito ao sul do país, e sobretudo na actualidade, a maioria das tradições do Dia de Espiga resume-se à apanha do ramo da espiga, ao qual, em muitos sítios, se adiciona também uma fatia de pão, para que durante todo o ano não falte este alimento em casa.

Noutros tempos, era costume na cidade, as moças que estavam de criadas de servir, ainda arreigadas a antigas usanças das suas terras de origem, pedirem às patroas para que lhes concedessem licença nesse dia para irem apanhar a espiga ... não raras as vezes, um bom pretexto para irem ao encontro do namorico, pois quase sempre apenas tinham permissão de folga ao domingo. Aliás, devido em grande medida à liberdade que a festa proporcionava aos jovens nesse dia, a apanha da espiga adquiriu bem depressa um sentido mais malicioso sempre que as pessoas a ela se referem. 

Fontes: Núcleo Documentação Municipal da C.M. Évora, e AUREN

Estados de espírito


Monday, April 29, 2013

Vira-se o feitiço contra o feiticeiro?

... " Austerity -- the deliberate deflation of domestic wages and prices through cuts to public spending -- is designed to reduce a state’s debts and deficits, increase its economic competitiveness, and restore what is vaguely referred to as “business confidence.”
...
In line with such thinking, and following the shock of the recent financial crisis, which caused public debt to balloon, much of Europe has been pursuing austerity consistently for the past four years. The results of the experiment are now in, and they are equally consistent: austerity doesn’t work. Most of the economies on the periphery of the eurozone have been in free fall since 2009, and in the fourth quarter of 2012, the eurozone as a whole contracted for the first time ever. Portugal’s economy shrank by 1.8 percent, Italy’s fell by 0.9 percent, and even the supposed powerhouse of the region, Germany, saw its economy contract by 0.6 percent. The United Kingdom, despite not being in the eurozone, only barely escaped having the developed world’s first-ever triple-dip recession. "
MARK BLYTH is Professor of International Political Economy at Brown University 

O artigo completo aqui.