Thursday, May 03, 2018

O "Maio de 68" foi há cinquenta anos

- É proibido proibir!
- A imaginação ao poder!
- Seja realista, exija o impossível!...

Estas e outras frases tornaram-se célebres, no âmago dum movimento social que sem dúvida nos fez pensar de outra maneira, e nos criou a esperança - ou a ilusão? de acreditar que seria possível um mundo melhor...


Daniel Cohn-Bendit

"O mês de maio de 1968 revolucionou a França e também a Europa... Há cinquenta anos, esse movimento social de estudantes e trabalhadores mudou a história do velho continente.
Tudo começou com a mobilização dos estudantes parisienses, um movimento libertário essencialmente antiautoritário que denunciou, na época, o imperialismo em todas as suas formas, reivindicou a libertação da moral e desafiou a velha universidade e a sociedade de consumo que haviam conquistado França após 10 anos de prosperidade e o início do desemprego.
As manifestações foram seguidas de repressão policial. Entre maio e junho de 1968, contam-se pelo menos sete mortos, mais de 2.000 feridos e centenas de detenções.
O maio francês está alinhado com o que está a acontecer nos círculos de estudantes e trabalhadores em países como a Alemanha, Estados Unidos, México, Japão, Brasil, Checoslováquia e na China.
A causa estudantil atraiu a simpatia dos trabalhadores, inicialmente hostis ao movimento estudantil. A 13 de maio de 1968 iniciam a maior greve geral do século XX, superando a de 1936 da Frente popular. O país fica semanas paralisado." 
In Euronews; o artigo completo aqui

Sunday, April 15, 2018

Calinadas fardadas

Um amigo de longa data enviou-me estes "tesourinhos", que agora partilho...!

*Coisas que agentes da PSP e GNR escrevem em autos.
De chorar a rir… ou então não: 
1. Um agente da PSP desloca-se à residência de um casal que anda desavindo e escreve no auto de notícia que: “o sr. x anda muito frustrado porque pagou cerca de 5 mil euros pelos implantes mamários da sua mulher e suspeita que outro cidadão está a usufruir desses dividendos”.
2. Escrevia um PSP num auto de notícia: “Numa ação de fiscalização, estando eu de arvorado ao carro patrulha, mandei parar o veículo supra identificado e pedi ao condutor os documentos pessoais e da viatura. Em resposta, disse-me aquele que se o autuasse me iria ao cú, o que fez três vezes.”
3. A GNR participa acidente e explica que “naquele local o asfalto da estrada era de terra batida”.
4. O gatuno era “herdeiro e vozeiro naquele tipo de condutas”.
5. Auto de notícia em que se diz que a ofendida foi encontrada em “lã-jeri”.
6. O arguido era “de raça nómada”.
7. Auto de notícia em que a GNR denuncia o furto de 24 galinhas das quais uma era galo.
8. O arguido resolve acabar o seu requerimento de uma forma cordial: ” Pede deferimento” e logo a seguir … “As minhas sinceras condolências”.
9. “O denunciado proferiu vários impropérios na Língua de Camões e também em língua francesa”
10. “O individuo trazia o produto estupefaciente junto do órgão genital masculino vulgo pénis”
11. Diligência de inquérito: “Solicite à PSP que, em 48h, diligencie por identificar o denunciado que se sabe ter cerca de 16 anos e usar boné”
12. Quem comete o crime de “borla” é um “borlista” profissional.
13. Auto de denúncia: “enquanto proferiam tais ameaças permitiam-se ainda chamar nomes ofensivos tais como “puta, vaca, jornalista, advogada, ladra, que era boa era para ir para a Ordem dos Advogados”.
14. Um arguido antes de bater no ofendido atirou-lhe com uma caixa em plástico, “nomeadamente um tampa-ruer”.
15. “O arguido atirou um paralelo-ipípado”.
16. “O arguido trazia uma techerte azul às riscas”.
17. “Os meliantes colocaram-se em fuga, ao volante de uma Picap”
18. Na sequência de uma queixa por crime de furto de um veículo, a GNR informa que recuperou a dita viatura, no entanto a mesma vinha cheia de moças.
19. Caso de uma averiguação de causa de morte em que foi determinada a “autópsia parcial” do cadáver.
20. Exmo. Sr. Procurador
Venho comunicar a V. Exa. que na EN que liga Penamacor ao Sabugal foi encontrado um cadáver morto, que pela fala parece ser espanhol…

Thursday, March 01, 2018

Is CRISPR a hope?

"Deng has advanced cancer of the esophagus, a common form of cancer in China. He went through radiation and chemotherapy, but the cancer kept spreading.
Now he's back at the hospital to get an experimental treatment. It involves using cells from his own immune system, known as T cells, after they have been taken out of his body and genetically altered in a lab by the gene-editing tool called CRISPR."

Será CRISPR a cura para o cancro...? O artigo completo aqui.

Tuesday, February 27, 2018

Pensamentos

"Meus amigos a vida é assim continuem a perder tempo em futilidades e maldades que o nosso fim é comum a todos, só diverge a hora... em vez de apontarem erros aos outros olhem primeiro para vocês.."
Assim falava o Padre... sacado no twitter via happiness1906

Tuesday, January 23, 2018

Bestialidades

O bicho do caruncho foi acusado de assédio sexual: andava a comer a secretária...
("roubado" ao tuiteiro antoniosantos56)

Thursday, January 18, 2018

Estado assume mais buracos do Novo Banco

No dia internacional do riso (?!), esta história do Banco mau e do Banco bom - possivelmente mal contada - não é para rir.
Certo, certo é serem sempre os mesmos a pagar, ou seja, o Zé Povinho.

Embora o moderador seja algo suspeito, dadas as "calinadas" a que é atreito, vale a pena ver a entrevista na SIC Notícias, em particular a partir do minuto 30...

Tuesday, January 02, 2018

BOM ANO NOVO 2018

Eles andam aí...!
Ah, e quando forem votar, lembrem-se desta "teia"...

"O novo secretário de Estado António Mendonça Mendes é irmão da deputada e dirigente máxima socialista Ana Catarina Mendes. Esta, por sua vez, é casada com o antigo ministro Paulo Pedroso.
Uma ligação excepcional na política portuguesa? Infelizmente, não.
Este absurdo é o corolário lógico dum sistema político dominado por laços familiares.
No Governo, Parlamento e na alta administração pública, estamos cheios de casados, primos e cunhados. O ministro Eduardo Cabrita é casado com Ana Paula Vitorino, que também integra o Governo.
Já a secretária de Estado adjunta de António Costa, Mariana Vieira da Silva, é filha de outro Vieira da Silva o ministro da Segurança Social.
A titular da Justiça, Van Dunem, é casada com o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos, Eduardo Paz Ferreira.
A ex. ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, é filha de Alfredo José de Sousa, ex-provedor de Justiça.
Ainda no atual Executivo, temos o secretário de Estado Waldemar de Oliveira Martins que é filho de Guilherme Oliveira Martins, ex-presidente do Tribunal de Contas e atual presidente do Conselho Fiscal da Caixa; este, por sua vez, é cunhado de Margarida Salema, que preside à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos; esta é irmã da deputada Helena Roseta, casada com o ex-ministro Pedro Roseta, que é cunhado do também ex-ministro António Capucho.
Elisa Ferreira, administradora do Banco de Portugal, é casada com Freire de Sousa que preside à Comissão de Coordenação do Norte.
No Parlamento, também os cargos políticos se congeminam no lar, o mais romântico será constituído pelo casal de deputados Teresa Anjinho e Ricardo Leite.
Na Assembleia da República, cruzaram-se, ao longo dos últimos anos, mais familiares do que numa ceia de Natal:
Luís Menezes, filho de Luís Filipe Menezes, Nuno Encarnação, filho do ex-ministro Carlos Encarnação, todos do PSD; e os deputados Candal, pai Carlos e filho Afonso, ambos do PS; a que se juntam Paulo Mota Pinto, filho do anterior primeiro-ministro Mota Pinto e da ex-provedora da Santa Casa da Misericórdia, Fernanda Mota Pinto; Clara Marques Mendes, deputada, é filha e irmã de dois outros Marques Mendes, António e Luís. António foi eurodeputado, Luís ministro e líder parlamentar; Teresa Alegre Portugal era deputada na mesma bancada do seu irmão, o histórico dirigente socialista Manuel Alegre
A consanguinidade reina no.Reino Político. Paulo Portas, ex-ministro e líder do CDS, é primo do todo-poderoso socialista Jorge Coelho.
O ex-secretário de Estado de Passos Coelho, João Taborda da Gama, é filho do socialista Jaime Gama, antigo presidente do Parlamento.
António Campos, ex-ministro, é pai de Paulo Campos, deputado.
O ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar é primo do Conselheiro de Estado Francisco Louçã. E este é cunhado de Correia de Campos, presidente do Conselho Económico e Social e ex-ministro da Saúde.
A histórica presidente do Partido Socialista e ex-ministra dos governos de Guterres, Maria de Belém Roseira, é tia de Luísa Roseira, membro da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
Esta é uma lista interminável que se inscreve numa tradição que transitou do antigo regime. E que se manteve, transpondo - e suplantando até - a Revolução de Abril.
O ex-ministro da Cultura Manuel Maria Carrilho é filho de um governador civil de Viseu, nomeado pelo Governo de Salazar.
O presidente de Assembleia Constituinte da jovem democracia de Abril, Henrique de Barros, era cunhado do último chefe do Governo do velho fascismo, Marcelo Caetano. Em sua homenagem, o atual presidente da República herdou-lhe o nome. Marcelo Rebelo de Sousa é, ele próprio, filho de um ministro do Ultramar de Caetano.
E é neste quadro de sucessão dinástica que Portugal, uma arruinada República, mantém uma Corte decrépita, dominada por umas poucas dezenas de famílias que estão agarradas ao poder público e às benesses que este proporciona.
Para aceder ao poder, não será necessário grande consistência política ou ideológica ou sequer sentido de interesse público. Em primeiro lugar, o que prevalece, são os laços de sangue.
Afinal o que falta para Portugal se transformar em Monarquia?"
"Roubado" ao ماريو مارتينز, In facebook

Sunday, December 10, 2017

Frases soltas

AS PALAVRAS E EU

Gásto os dias a experimentar logares e posições para as palavras. É uma paciencia de que eu gósto. É o meu gôsto.
Tudo se passa aqui pelas palavras--todos os gôstos.
Collei algumas d'estas paciencias com palavras. São estas as palavras que trago aqui. Ainda não estão promptas--são pedaços de coisas, aqui e alli, como um rapaz novo, como uma rapariga nova. Como os cavallos quando ainda são petizes--vê-se já que se trata de um cavallo, mas tambem se vê que ainda não está concluido. As pernas cresceram mais depressa do que a espinha. A cabeça muito grande é que já está do tamanho em que ha-de ficar. Tudo se aguenta de pé provisoriamente--ainda não está prompto, vê-se perfeitamente que ainda não é tudo.
Agarrei uma mancheia de palavras e espalhei-as em cima da meza. Ficaram n'esta posição:

Almada Negreiros in "A invenção do dia claro"