Sunday, December 30, 2012

Happy New Year!...


Mais um ano chegando ao fim. Ele passa tão rápido, que a gente nem vê. E assim os dias passam e deles restam apenas as diversas lembranças que estarão sempre vivas dentro dos nossos corações. Memórias desses vários momentos que vivemos nesses 12 meses. Houve tantas coisas. Boas e ruins. Houve lágrimas e também muitos sorrisos, alguns de felicidade e outros até mesmo para esconder a tristeza. Houve brigas e erros, mas também muitos abraços e acertos. Mas agora reveja tudo que passou nesse ano, e você vai perceber que ele valeu à pena. E quando der 00:00 no relógio e o show de fogos começar, anunciando o início de 2013, olhe para trás, mas não procure por mágoas e arrependimentos, perceba que muitas foram as quedas e obstáculos, mas também inúmeros momentos alegres que provavelmente compensam todas as situações de infelicidade. As tristezas? Deixa-as para trás, afinal, está chegando um ano novo, uma oportunidade para você esquecer tudo aquilo que o incomoda e lhe faz mal. As pessoas que ama? Cuide bem delas para que permaneçam para sempre. E as promessas? Por mais que as façamos, muitas vezes não conseguimos cumpri-las, então, não pense em prometer algo ao ano novo, apenas aproveite e faça aquilo que for possível. E que venha 2013, e seja melhor que 2012.
Óptimo Ano Novo para todos vós!...

In A Alma Sente 

Music was my first love...

video
                                  Ask the angels who they're calling...

Feliz Aniversário, Patti Smith!...



Happy birthday, Patti! My special friend of the good and the bad moments!
Thank you so much for everything that you gave to me and to all the people that loves you!
From the bottom of my heart, I wish you a very nice day!


Tuesday, December 25, 2012

Urbanidades

"O urbanista de hoje, para ser autêntico, deve partir do princípio profundamente humano de que uma cidade não são apenas as casas, ruas, avenidas, praças, etc., antes a comunidade que nela vive e convive, com os seus diversos grupos, suas instituições, seu modo de viver, suas tradições e seus costumes."

Arq° Mário de Oliveira, num artigo de 1965 

Monday, December 24, 2012

Music was my first love...


A mais bonita canção de Natal!
                     The most beautiful Christmas's song!
                                          La plus belle chanson de Noël!...

Boas Festas!...


Presépio em Monsaraz, Portugal

Sunday, December 23, 2012

TEDTalks: Como defender a Terra dos asteróides

Falando de coisas sérias, em contraponto com o tão anunciado "fim do mundo", vale a pena ouvir este cientista dissertar sobre os perigos REAIS a que o nosso planeta está sujeito, e o que se está a fazer para nos defendermos. Em linguagem muito acessível, e num tom por vezes cómico, Phil Plait consegue cativar uma vasta audiência, com informação bastante actual sobre a ameça concreta que os asteróides representam para a Terra.


Pode-se optar por legendas em português, ou uma das restantes 32 línguas disponíveis.

Sunday, December 09, 2012

Ler, ouvir e divulgar, por um futuro melhor para todos

Nos dias que correm a quantidade de informação que nos chega é de tal ordem, que todo o cuidado é pouco na sua interpretação e análise. Quero com isto dizer que muitas vezes as aparências iludem, ou seja, um determinado artigo que à primeira vista parece ser relevante e com um conteúdo bem estruturado, por vezes não é mais do que aquilo que estamos à espera de ler e ouvir, pecando por falta de contraditório e/ou fontes fidedignas, ou pouco credíveis.
Mas essa é uma preocupação e um cuidado que a todos nós compete, e não têm que ser substituídos por uma qualquer CENSURA (está tudo desmontado aqui), por mais vantagens e boas intenções de que ela transborde...
Há artigos que, pela sua importância, sustentação, profundidade de análise e, sobretudo, pela sua actualidade, têm a obrigação de ser divulgados o mais possível. Acredito muito sinceramente que, como cidadãos responsáveis que somos, QUANTO MAIS BEM INFORMADOS E CONSCIENTES estivermos acerca da difícil realidade que todos estamos a viver, bem como das suas causas e origens, mais facilmente nos uniremos a fim de se pôr termo à monstruosidade de que estamos a ser alvo, enquanto povo e enquanto nação.



..."A previsão (ONU) é de que, se não forem tomadas medidas (...) nos próximos 3 meses, a situação na Europa do Sul, em termos sociais, tornar-se-á implosiva e incontrolável..." é a opinião das Nações Unidas, em 17 de Novembro de 2012.

Artur Baptista da Silva é o coordenador em Portugal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e baseia todo o seu discurso em dados estatísticos credíveis, reconhecidos internacionalmente, quer por Portugal quer pela (des)União Europeia.

Garanto-vos que vale a pena ver esta apresentação na íntegra. Se bem que um pouco longa, é constituída por duas partes, e está elaborada numa linguagem quase sempre clara e perfeitamente compreensível pelo comum dos cidadãos, ou seja, não é, de todo, o economês a que infelizmente já estamos habituados. Está lá tudo, muito bem explicado e fundamentado: as origens dos nossos males, os interesses instalados por detrás de falsas solidariedades, os sucessivos erros desde a entrada de Portugal para a então CEE e os diferentes culpados... Não se limitando a criticar e a constatar o porquê do termos chegado a este beco sem saída, Artur Baptista da Silva / ONU aponta para possíveis saídas, através de poupanças de carácter financeiro e alterações da política fiscal que tem sido seguida (ou que nos tem sido imposta, vá-se lá saber...).




Basta de austeridade! Já chega de ouvirmos a afirmação - mil vezes repetida - de que temos vivido acima das nossas possibilidades. Talvez os políticos o tenham feito depois do 25 de Abril, os banqueiros de certeza que o fizeram e continuam a fazer (a eles TUDO lhes é permitido, até dizer baboseiras como as que temos que AGUENTAR), mas não venham atirar-nos com mais areia para os olhos.

Na Suíça, país onde actualmente vivo e trabalho, creio que nada disto seria possível, porque aqui existe consciência cívica, por tudo e por nada fazem referendos junto da população, os dirigentes e governantes normalmente demitem-se das suas funções, quando há casos de suspeição, já que não se sentem confortáveis para continuar a ocupar os seus lugares até se apurar se realmente houve ou não algum ilícito. Não quero com isto dizer que este país não tem defeitos, mas acho que Portugal tem muito que aprender com os suíços no que diz respeito a Democracia Directa.
Acima de tudo e de todos continuo a amar Portugal, orgulho-me de ser português, apesar de não ter orgulho nenhum - bem pelo contrário - em certos portugueses que se têm governado e nos continuam a (des)governar.

Saturday, December 08, 2012

Gandamaluco!


Para contrariar um pouco o bota-abaixismo e a falta de horizontes instalados nos media e na nossa sociedade. Com pronúncia do norte!
"... e depois há uma coisa mágica, e insubstituível, que é procurar gatos pretos, em quartos pretos onde não há gatos pretos, e encontrá-los!... E isto é que é gerar oportunidades de negócio!".
Sublime!  

Thursday, December 06, 2012

Devaneios de um dragão!


Diálogo  com um padre

 
Padre- Então, meu filho, porque queres tu tornar-te católico?

Dragão - Bem, padre... Estou a ficar velho e, pelo sim, pelo não, convém acautelar a reforma celeste. Não descontei toda a vida, mas não poderia agora entrar num  programa rápido de compensações e prestações caridosas por atacado?

Padre - Meu filho, a Providência Divina não é bem igual à Previdência Social, graças a Deus:

Dragão - Pena. Todavia, olhe,  para começar, acredito em Deus!...

Padre - Pois, meu filho, mas isso é irrelevante. Compete-te acreditar é na Santa Madre Igreja. É isso que faz de ti um católico. A Igreja é a concessionária estatal de Deus na terra. Fora Dela, não serás nunca um crente, mas um contrabandista da fé, um evadido aos impostos celestiais!...

Dragão - Ah... já  agora, escute cá, ó padre: se somos praticamente da mesma idade, porque teima em aperfilhar-me? Não faria mais sentido chamar-me "irmão", ou "meu irmão"?
... 
 Continua aqui

Saturday, December 01, 2012

Porque a SIDA existe


Conjurados precisam-se... de novo!

Para memória futura: 1° de Dezembro sempre 

Tudo começou em finais do séc. XVI: o Rei de Portugal era Dom Sebastião. Em 1578, Dom Sebastião morreu na batalha de Alcácer-Quibir, no norte de África. Portugal ficou, assim, sem Rei, pois Dom Sebastião era muito novo e ainda não tinha filhos, não havia herdeiros directos para a Coroa Portuguesa. Assim, quem subiu ao trono foi o Cardeal D. Henrique, que era tio-avô de Dom Sebastião. Mas só reinou durante dois anos porque nem todos estavam de acordo com ele como novo Rei.(...) Em 1580, nas Cortes de Tomar, Filipe II, Rei de Espanha, foi escolhido como o novo Rei de Portugal. A razão para a escolha foi simples: Filipe II era filho da Infanta Dona Isabel e também neto do Rei português Dom Manuel, por isso tinha direito ao trono. Durante 60 anos, viveu-se em Portugal um período que ficou conhecido na História como “Domínio Filipino”. Depois do reinado de Filipe II (I de Portugal), veio a governação de Filipe III (II de Portugal) e Filipe III (de Portugal). Estes Reis governavam Portugal e Espanha ao mesmo tempo, como um só país. Os portugueses acabaram por revoltar-se contra esta situação. Os impostos aumentavam; a população empobrecia; os burgueses ficavam afectados nos seus interesses comerciais; a nobreza estava preocupada com a perda dos seus postos e rendimentos; o Império português era ameaçado por Ingleses e Holandeses e os Reis Filipinos nada faziam. E, no dia 1 de Dezembro de 1640, puseram fim ao reinado do Rei espanhol. Eram apenas quarenta homens, "Os Conjurados", um grupo de valentes portugueses, que se organizaram clandestinamente durante o domínio dos espanhóis sobre Portugal, na sua maioria da nobreza portuguesa, cujo objectivo era o de destituir a Dinastia dos Filipes e proclamar um Rei português.
Assim, invadiram o palácio da Duquesa de Mântua, atiraram Miguel de Vasconcelos pela janela causando-lhe a morte, e proclamaram El-Rei Dom João IV, aos gritos de "Liberdade". O povo e toda a Nação portuguesa acorreu logo a apoiar a revolução, Restauração da Independência, e assim, D. Filipe III, IV de Espanha, que se encontrava já a braços com uma revolução na Catalunha, não teve como retomar o poder em Portugal. 
Aquele que ficou reconhecido como tendo sido o grande impulsionador da conspiração foi João Pinto Ribeiro. O Palácio dos Almadas tornou-se então conhecido pelos acontecimentos históricos que nele se passaram, nomeadamente o papel de alguns membros da família Almada no movimento da Restauração de 1640. Hoje conhecido pelo Palácio da Independência ou Sociedade Histórica da Independência de Portugal (SHIP).
Foi assim que Portugal recuperou a sua independência, sendo Dom João IV, Duque de Bragança, aclamado Rei, com o cognome de "O Restaurador".

"Gamado" ao blogue do Duque de Bragança